Warning: Trying to access array offset on value of type bool in /home/vetpetso/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 39

Warning: Trying to access array offset on value of type bool in /home/vetpetso/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 39

Warning: Trying to access array offset on value of type bool in /home/vetpetso/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 39

Warning: Trying to access array offset on value of type bool in /home/vetpetso/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 39
Diabetes animal: saiba as causas e os tratamentos indicados - PetSon

Warning: Trying to access array offset on value of type bool in /home/vetpetso/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 39

Diabetes animal: saiba as causas e os tratamentos indicados

Você sabia que os animais também podem sofrer com doenças típicas de humanos. Uma das doenças é a Diabetes, uma doença endócrina crônica que ocorre nos cães e nos gatos. No caso deles, a Diabetes mellitus, que é caracterizada por um aumento de açúcar no sangue (hiperglicemia) e resulta de uma deficiência em produzir insulina suficiente para as necessidades do animal, ou numa incapacidade de utilização da insulina.

Os sintomas mais frequentes num animal com diabetes são perda de peso, aumento da ingestão de água, aumento do apetite, e aumento da frequência urinária. Também são verificadas complicações que atingem os olhos, como a cataratas, e também pancreatite e outras infecções.

Todos esses sintomas podem ser reduzidos. Porém, é preciso manter a doença controlada, uma vez que não tem cura.

É importante ficar atento aos sinais da doença, que é provocada por alterações no pâncreas. E uma dos sinais é o aumento do peso. Outras causas são uma dieta pobre, anomalias hormonais, predisposição genética, estresse e o uso de alguns medicamentos.

Identificada a doença, o tratamento requer diversas ações, como o uso de insulina, que deve ser administrada em forma de injeções, já que a maioria dos animais não responde à medicação oral. O médico veterinário é quem deve indicar a quantidade de insulina e a frequência necessária com base nos resultados dos exames.

Importante também ficar atento à alimentação do pet. Se ele não comer – ou se a insulina for administrada em doses maiores – ele pode ter crises de hipoglicemia, resultando em letargia, fraqueza e até convulsões. Por isso é essencial que o animal se alimente, menos que com pequenas refeições e sejam administradas as doses certas de insulina. A hora de alimentação também deve ser respeitada, com 2,3 ou 4 refeições diárias, conforme o prescrito pelo médico veterinário.

Abrir bate-papo
Olá como
Podemos ajudá-lo?